Pensava que era mau... Mas não é.



Olho à volta e o mundo não me parece o mesmo. Porém não creio que tenha mudado. Os prédios continuam lá, as ruas levam-me aos mesmos locais e ainda vivemos em regime democrático. Nada de relevante aconteceu, e os locais que conheço estão iguais. Talvez eu não seja mais a mesma, e por isso olho o mundo de forma diferente. Hoje cada dia é uma oportunidade para ser feliz, o medo parece ter desaparecido quase por completo. Cometo erros, uma, duas, três… vezes sem conta. Faço coisas estúpidas, eu sei. Não fujo, cansei de fugir. Sou demasiado preguiçosa para o fazer, por isso mantenho-me lado a lado com aquilo que me magoa. Corro riscos desnecessários. Isso é viver, perdi a conta aos dias em que fiquei com dores na barriga de tanto rir, e às noites que chorei até adormecer. Perdi a conta às vezes em que tive vontade de lhe bater, e muitas mais foram as vezes que o quis abraçar. Há pessoas, em relação às quais já nos arrependemos de tudo, do que fizemos e do que deixamos por fazer. Das mensagens que enviamos sem pensar e daquelas que, por muito pensar, não saíram dos rascunhos. Esta é daquelas histórias que já me fez chorar, já me fez querer desaparecer e nunca mais voltar, bater em mim mesma por ser tão estúpida… Mas já me fez sorrir também. Criou memórias inigualáveis, momentos que de facto aconteceram e que me fizeram feliz, por muito ilusórios que fossem. Mesmo sem querer fazer-me qualquer tipo de bem, fizeste… fizeste-me sentir viva, chorar e sorrir, arriscar, não saber o que dizer, procurar por ti no meio da multidão… Já senti tanta raiva de ti, já quis tanto chegar a ti, já prometi vezes sem conta que ia esquecer historias passadas, promessas falhadas. Hoje eu sei que não te quero como um dia pensei querer. Hoje sinto que não me limito a existir, hoje eu vivo com a intensidade que ponho em cada gargalhada, em cada choro… Hoje, faço os dias valerem a pena e devo-te isso. Talvez seja apenas isso, no meio da indiferença preciso que saibas que te sou grata. Tu fizeste a diferença! (e não importa se não sabes o meu nome, é unidireccional e eu não quero saber).



Suricata

2 comentários :

  1. Adorei o post, a forma como escreves e descreves os sentimentos, coisa difícil de se fazer... mas isso que escreveste se chama "crescer" aprender a lidar com os nossos sentimentos. Muito bom mesmo. Beijinhos :*

    ResponderEliminar

Thank you for taking your time. Comments always make me happy.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...